“Aqui nós valorizamos a mamãe, então você vai ouvir choro de bebê e vai precisar fazer uma pausa para o bebê mamar”.

Este foi por muito tempo o cartaz mais querido da recepção da Moore CWB, onde desde os três meses de vida, Joaquim passava a maior parte do tempo – ao lado da mamãe Adriana.

Entre cálculos, planilhas e reuniões, Adriana amamentava Joaquim, decidida a profissionalizar a empresa, sem abrir mão dessa rica fase da maternidade. A gravidez foi um grande ponto de virada na história da empresária.

“Quando existe alguém que vai depender sempre de você, só existe uma saída: fazer dar certo. Eu passei a enxergar o negócio com perpetuidade. A empresa está além de nós. Eu quis melhorar processos, passei a cuidar da retenção de talentos e busquei parcerias fortes, como a da Moore Global. Esse movimento nos aproximou de vários clientes”, conta Adriana.

Outro ponto de virada na história da empresária aconteceu antes de Adriana conhecer João – pai do Joaquim, hoje seu marido e melhor companheiro de estradas e paradas! Ela enfrentou uma depressão.

“A gente só acredita na depressão, quando ela acontece com a gente. Eu passei por um divórcio e sofri diversas perdas. É mais fácil acordar, tomar café na cama, ficar olhando para a parede e chorar – do que lutar”, conta Adriana.

Mas foi literalmente a luta que fez Adriana superar. Ela trocou a parede do quarto pelos ringues de boxe, onde todos os dias passou a enfrentar o medo.

“O boxe é um esporte de superação. A gente bate, mas também apanha. No ringue, ou a gente acredita na nossa capacidade e vontade, ou a gente cai. Eu optei por encarar”.

A prática diária do boxe ajudou Adriana a acreditar em si mesma e ter vontade de reverter o quadro. Voltar a estudar, voltar a trabalhar e voltar a sorrir passaram a ser realizações de valor para a empresária. “Depois que você vira a página de uma depressão, nada mais é impossível”, conclui Adriana”.

Sobre a paixão pela contabilidade? Adriana conta que surgiu na infância, quando visitava o escritório do pai. O Senhor Ingomar era diretor da divisão de acionistas de uma grande empresa e o repertório contábil, fiscal e financeiro sempre foi bastante familiar para ela. Entre números e resultados nascia a sua vocação.

“Minha maior conquista é a confiança de um cliente. E foi isso que me levou a empreender”, afirma Adriana.

Ela se formou em técnico de contabilidade, estagiou em escritórios, graduou-se em ciências contábeis e trabalhou duro em grandes contas. Mas o desejo de atender os clientes a seu feitio, de uma maneira mais próxima e proativa, a levou a abrir o seu próprio negócio. E também a alcançar a tão desejada profissionalização.

Adriana nunca parou de estudar e entre suas atividades extras está a atuação como conselheira fiscal da Câmara Brasil – Alemanha. Lugar de acolhimento e encontro com suas raízes alemãs – um intercâmbio muito valioso para uma Brodbeck, que adora viajar e conhecer novos lugares pelo mundo.

E foi com os doces de carambola da avó Brodbeck que Adriana aprendeu a importante relação entre doçura e disciplina. A avó preparava o doce, tradicionalmente, na mesma época do ano, e o dividia em potinhos exatos para todos os netos.

Da parte que coube a Adriana, nós podemos degustar até hoje, nas grandes e pequenas ações do time da Moore CWB, cuja engrenagem já se movimenta com vida própria, do jeito que Adriana sonhou.

Moore Brasil

Moore Brasil